sexta-feira, 21 de agosto de 2015

ENQUANTO HOUVER SOL...


ENQUANTO HOUVER SOL...


O evangelista Marcos registra um momento ímpar na vida de Jesus: “E compartilhou com eles: ‘Minha alma está extremamente triste até à morte; ficai pois aqui e vigiai’” (Marcos 14.34 – KJV). Cristo, nosso Senhor, nesse momento, teve um dia de trevas, uma noite escura da alma, um momento de abandono e angústia. Já teve um dia assim? Quem nunca teve não é? Noites escuras podem durar dias, meses ou até anos.

Em momentos como esse parece que nosso mundo interior vai desabar. Não conseguimos enxergar soluções em meios a tantos problemas e dores. Aqueles que deveriam estar do nosso lado ficam em estado de letargia, assim como os discípulos fizeram com o Mestre (Marcos 14.37). Os que nunca imaginamos que nos dariam às costas são os primeiros a nos decepcionar. Ou nas palavras de Augustos dos Anjos: “a mão que afaga é a mesma que apedreja”.  

Nessas horas, o coração fica apertado e as lágrimas são nossas companheiras constantes. Muitos salmistas sabiam o que era isso. Tristeza sobre tristeza, angústias sobre angústias e a esperança de dias melhores parece algo distante e utópico. Muitos, em dias de trevas, não conseguem enxergar nenhuma luz. Os sentimentos se confundem e entra-se em um estado de comiseração, ou então em depressão, ou procura-se culpados, ou sente-se a própria encarnação da culpa. A única coisa que enxerga-se é o momento.

Esquecem-se de que toda noite escura precede um dia claro. Não é por que você está numa noite escura em sua vida que o sol vai deixar de brilhar. Não se ache a pessoa mais magoada do mundo. Nem você, nem eu temos o poder de parar os dias para que todos possam contemplar o quanto somos vítimas das circunstâncias. Sei que é difícil, eu já passei várias noites escuras. Mas como nasci em Esperança sou esperancense e esperançoso por natureza. Esperança é saber que tudo passa: as noites escuras, as de tempestades. E que Deus sempre tem verões depois dos invernos da alma.

Tenha esperança do verbo esperançar, como dizia Paulo Freire. Esperança do verbo esperar dá a ideia de ficar estático, deprimido, sem ação alguma, esperando que algo vá acontecer por si só. A dor vai passar... ele ou ela vai voltar... vou conseguir pagar tal dívida... a doença vai embora sem que precise tomar algum remédio ou se procure ajuda. No entanto, “esperançar” é diferente. É fazer sua parte confiando que Deus está do seu lado e cuida de você. Aquele que disse: “... a minha alma está angustiada até a morte”, também pôde dizer depois da noite escura: “Mas recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo...” (Atos 1.8). Percebe? Só haverá poder pra você depois que enfrentar sua noite escura, assim como Cristo o fez.

Não sei qual a sua noite escura, mas sei de uma coisa, noites escuras fazem parte da existência humana. No entanto, a Palavra diz: “entrega a Ele toda sua ansiedade porque Ele tem cuidado de você” (1Pedro 5.7). Enquanto houver sol sempre haverá esperança de dias de alegria e felicidade. Mesmo quando não se vê o sol brilhar por causa das nuvens negras que sobrevoam nossas cabeças, o sol continua ali. Não fique isolado em sua solidão existencial, olhe para o sol que teima em brilhar a cada dia, só pra você não se esquecer de uma coisa: o Deus que criou o sol é o mesmo que criou você. Se o sol continua dando seu brilho, você também brilhará...



Antônio Pereira Jr.
oapologista@yahoo.com.br

SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER

(Somente a Deus damos a glória agora e sempre)

Nenhum comentário:

Postar um comentário