quinta-feira, 1 de outubro de 2015

ESPERA EM DEUS


ESPERA EM DEUS


Muitas vezes, nossa alma parece um ser incompreensível. Ora ela acorda cheia de animação e alegria; ora ela parece abatida, fraca e desanimada. Já se sentiu assim? Sentir-se abatido, hoje em dia, é quase um pecado. Vivemos um triunfalismo dentro das igrejas e as pessoas ficam quase que obrigadas a contar apenas bênçãos e vitórias. Alguém que se sente abatido e fraco logo é repreendido como alguém sem fé ou muito pecador.

No entanto, quando examinamos as Escrituras, verificamos que o abatimento da alma é mais do que natural. Muitos servos de Deus já se sentiram assim. Basta fazer uma leitura superficial na vida de Jó (Jó 3.11); Moisés (Números 11.15); Elias (1 Reis 19.1-18); Jonas (Jonas 4.3); Jeremias (Jeremias 20.1-18); Paulo (At 16.16-40; 2Co 1.3-11) entre tantos. 

E se você conhecer um pouco da História da Igreja ficará impressionado com aquilo que os “grandes” homens de Deus passaram. Já leu sobre a vida de Martinho Lutero, John Bunyan, David Brainerd, John Wesley, Charles H. Spurgeon? Isso só para citar alguns. O que se percebe claramente é que todos eles eram seres humanos que não negavam seus sentimentos e fraquezas. 

Muitos daqueles que vibram alegremente num culto de domingo, parecendo um ser impecável e superpoderoso, se abatem durante a semana na solidão do seu quarto. Ou quando surgem alguns problemas, logo aquela “espiritualidade” toda se esvai como areia entre os dedos. Não é verdade? Lembre-se que você não precisa esconder seus sentimentos nem tentar ser o que não é. Seres humanos normais passam por tristezas, abatimentos, solidão, angústias, ansiedades e depressões. 

Dou graças a Deus por Jesus que não escondia seus sentimentos e angústias. Em sua humanidade, ele foi homem como qualquer um de nós. E não tinha vergonha ou medo de falar o que estava realmente sentindo: “Então, lhe disse: a minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo” (Mateus 26.38). Quem esconde seus sentimentos são os religiosos e fariseus. Aqueles que querem parecer diante dos outros o que não se é diante do Eterno: "...pareceis justos diante dos outros, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e injustiça. Ai de vós..." (Mateus 23.27-32).

O que fazer então quando nossa alma parece sem forças? Lembre-se do conselho do salmista: fale com sua alma (Salmo 42.5). Ele diz: “Por que estás assim tão abatida, ó minha alma? Por que te angustias dentro de mim?”. Vez por outra é preciso conversar consigo mesmo. Sua alma precisa ouvir de você alguns conselhos. Não sei o que sua alma precisa ouvir, talvez seja: “Toma juízo!”; ou “Tá na hora de deixar esse sentimento de comiseração”. O do salmista foi: “Espera... pois ainda o louvarei por seu livramento”.

Deposita tua esperança em Deus. Diga pra sua alma: “bola pra frente!”. Outras histórias serão contadas. Novas experiências e vitórias chegarão. Ou nas palavras do apóstolo Pedro: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1Pedro 5.7).



Pr. Antônio Pereira Jr.

oapologista@yahoo.com.br

SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER

(Somente a Deus damos a glória agora e sempre)

Nenhum comentário:

Postar um comentário